domingo, 20 de novembro de 2016

Para não embrutecer

Para não embrutecer

Para não embrutecer sempre que posso quebro regras,
os moldes são feitos para endurecer
o concreto que conserva a imagem perde o melhor do vento

para não embrutecer amo além do permitido,
amo pessoas plenas de mundo
Simplesmente, amo.
para não embrutecer, leio.
Leio poemas.
Leio você.

para não embrutecer faço luta política
Mesmo que hora ou outra me perca nas minhas próprias retóricas e ciladas
faço não por um ato de fé
faço pelo existir de um mundo possível e melhor
por isso, nego e resisto a esta lógica masculina e desumanizada
onde competição é vício prático
e a transformação meras sílabas repetidas
política sem pessoas, pessoas sem política

para não embrutecer
reinvento meu olhar, preferencialmente crítico
Mas sempre que posso autocrítico
assim contradição é escada e não amarra

para não embrutecer
busco pares e até impares
pois não existe revolução individual sem a coletiva
o melhor de mim tem no outro
e o melhor do outro tem em mim

Ariely de Castro

Nenhum comentário:

Postar um comentário